Mercado Livre e GOL anunciam acordo de longo prazo em um novo modelo de negócio

Até 2023, serão 6 aeronaves cargueiras operadas pela GOLLOG, unidade de logística da GOL, exclusivamente para o e-commerce no Brasil 

 A operação aérea dedicada trará redução de até 80% do tempo de entrega em rotas extensas

De um lado, o Mercado Livre – líder em tecnologia para e-commerce e serviços financeiros na América Latina – dá mais um passo em sua estratégia para democratizar o comércio e o dinheiro e, do outro, a GOL Linhas Aéreas, a maior Companhia aérea do país, estreia na operação de aviões cargueiros por meio de sua unidade de logística, a GOLLOG. Juntas, as empresas anunciam um acordo de grande relevância para o mercado de logística e de aviação no Brasil, com a operação dedicada de aviões para transporte exclusivo de cargas. 

O negócio contempla seis aeronaves da GOL modelo Boeing 737-800 e faz parte do pacote de investimentos de R$ 17 bilhões que o Mercado Livre anunciou para este ano no Brasil. Com a força operacional da Companhia aérea, a empresa espera reduzir em até 80% o tempo de entrega para rotas mais longas, como as regiões Norte e Nordeste, e em até 50% em rotas médias, como Centro-Oeste.

Três aeronaves da GOL entram em operação no segundo semestre deste ano. Outras três serão integradas à frota até o terceiro trimestre de 2023. O acordo considera também a opção de adicionar outras seis aeronaves de carga até 2025. “A expansão da frota aérea é vital para seguirmos com a missão do Mercado Livre de democratização do comércio eletrônico e torna-se ainda mais latente em um país de dimensões continentais como o Brasil. Com este reforço teremos voos diretos saindo de São Paulo e, considerando cargas armazenadas em Fulfillment, vamos reduzir o tempo de entrega para as Regiões Norte e Nordeste em até 80%, alterando o prazo de entrega de Manaus, por exemplo, de 9 dias para apenas 1 dia. Em capitais do Nordeste, o prazo atual de 4 dias também cairá para apenas 1. Já os consumidores de Goiânia e Cuiabá, por exemplo, passarão a receber seus pacotes Full no dia seguinte”, afirma Fernando Yunes, vice-presidente Sênior e líder do Mercado Livre no Brasil. “Estamos muito otimistas em relação ao nosso acordo com a GOL, o enxergamos como peça fundamental no fortalecimento de nossa trilha de crescimento no e-commerce e estratégia de expansão regional”, completa.

Os aviões destinados à operação fazem parte da frota atual da GOL e passarão por um processo de conversão para cargueiros, sendo designados como 737-800 BCF (Boeing Converted Freighter), equipamentos inovadores em termos de carga e eficiência, com capacidade de 24 toneladas. Finalizados, terão a cor e a logomarca do Mercado Livre. A GOL Aerotech, unidade de negócios da Companhia especializada em manutenção, reparos e revisões de aeronaves e componentes, a maior da América Latina, está em processo de certificação para executar integralmente as conversões das próximas aeronaves em seu centro de manutenção em Confins – MG.

“Este modelo de negócio anuncia uma nova fase para a GOL e para a GOLLOG. A expansão do escopo de serviços da nossa unidade de logística com operações de aviões cargueiros para o líder do mercado de e-commerce na América Latina traz, de forma estruturada e sustentável, eficiência de escala e segurança econômica para as duas empresas, além do crescimento do mercado esperado para os próximos anos”, diz Paulo Kakinoff, CEO da GOL Linhas Aéreas.

A GOL está se estruturando para atender as necessidades do crescente mercado brasileiro de e-commerce, que responde atualmente por mais de R$180 bilhões em receitas anuais, com um gasto anual de mais de R$12 bilhões em serviços logísticos. Com as operações exclusivas para o Mercado Livre, a GOL espera gerar diretamente 100 novas vagas de trabalho e aproximadamente 90 posições indiretas. “Estimamos que a GOLLOG registre um aumento de aproximadamente 80% na capacidade ofertada em toneladas e aumente a gama de serviços oferecidos com uma receita incremental de R$100 milhões em 2022 e de mais de R$1 bilhão nos próximos 5 anos”, complementa Julio Perotti, diretor executivo da GOLLOG.

A Companhia aérea mantém seu plano de frota de encerrar o ano com 136 aeronaves, das quais 44 do modelo Boeing 737-MAX 8 e 92 em Boeing 737-NG. A destinação das 6 aeronaves exclusivas para operação de cargas inaugura um novo capítulo de eficiência na redução dos custos unitários da GOL, uma vez que, combinada com a aceleração na transformação da frota para 737 MAX, permitirá maior diluição dos custos fixos, redução da ociosidade existente e incremento de novas oportunidades de geração receitas auxiliares. 

Modernização dos meios de pagamento é o futuro do mercado B2B

Para atender às necessidades dos clientes, empresas buscam soluções com menor custo de implantação e de fácil adaptação

O mercado financeiro no Brasil se adaptou muito rapidamente ao PIX, tornando este, em pouco mais de um ano desde sua implantação, o meio de pagamento mais utilizado por pessoas físicas. No mercado B2B o cenário é outro. Ainda são muito utilizados como meios de pagamentos o boleto tradicional, além de transações via DOC, TED e depósito em conta, soluções que para muitos parecem já obsoletas. Porém, com o avanço de novas modalidades digitais, esse cenário vem se modificando.

Diversas empresas já estão buscando soluções híbridas, que trazem como benefício o aumento das taxas de conclusão de pagamento dos seus clientes, como o uso de cartão de crédito, principalmente quando pensamos em cobranças recorrentes, e o uso do PIX como uma possibilidade integrada ao boleto, oferecendo opções de pagamento tradicional ou via QR Code.

Para se ter ideia, de acordo com dados do BACEN, no universo business no ano passado já eram 7,9 milhões de empresas cadastradas no sistema financeiro (SFN) para utilizar o PIX em suas movimentações, o que corresponde a 55% do total. Comprovando o movimento de migração para o novo sistema, as transações P2B (entre pessoas e empresas) estão em crescimento desde seu lançamento; só em outubro de 2021, foram registradas mais de 150 milhões. Já o volume de transações B2B atingiu a marca de 25 milhões ao mês, equivalente a 3% da quantidade total de transações neste nicho de mercado. Pensando em valores, isso representa 35% do total movimentado pelo setor empresarial.

Hoje, existem diversas soluções disponíveis no mercado para a adaptação das empresas a um novo cenário de pagamentos. Já existem hoje no mercado plataformas unificadas de meios de pagamento, que possibilitam desde transações tradicionais de TED, DOC e boleto, até a parametrização de QR codes em arquivos de cobrança e pagamentos, além de soluções de gateway de pagamentos para uso de cartão de crédito.

Migração acontece em processo contínuo

Para avaliar qual o meio de pagamento disponível hoje mais adequado ao seu negócio é necessário analisar o cenário completo, que vai além do modelo que a empresa deseja implantar, mas precisa estar de acordo com o modelo ideal dos seus clientes finais. Por exemplo, se uma empresa é fornecedora de itens para o comércio, precisa-se analisar a maturidade desse mercado. Muitos pequenos varejistas ainda possuem receio de novas tecnologias e preferem atuar em um modelo mais tradicional. Essa análise irá determinar qual é o melhor modelo de cobrança e oferta de meios de pagamento.

Boleto híbrido une modernidade e tradição

Podemos esperar que o Bolepix – solução de modelo híbrido de pagamento criada pela Finnet – ultrapasse o uso do convencional boleto somente com código de barras, mas não é um processo rápido como foi para pessoa física, já que requer, principalmente, uma mudança de cultura do mercado corporativo.

Na empresa, os clientes têm demonstrado especial interesse pelo Bolepix, que traz como vantagem o pagamento instantâneo – ou seja, o dinheiro entra na conta da empresa imediatamente, diferente do que ocorre com o boleto que tem um prazo maior para compensação. Além disso, o novo recurso mantém a facilidade da conciliação bancária que a estrutura de boletos já possui.

Pode-se dizer, portanto, que as soluções que aliam a rapidez do PIX com a estrutura de conciliação já existente do boleto, vem sendo cada vez mais bem vistas pelas empresas, pois garantem baixo investimento e agilidade nos processos.